- Cirurgias a laser

>> PRK

O PRK, conhecido como “cirurgia sem toque”, é uma técnica cirúrgica moderna, desenvolvida para pessoas que querem voltar a enxergar normalmente, por meio de um procedimento rápido e indolor. É indicada para corrigir pequenos graus de miopia ou astigmatismo. 

>> LASIK

É uma das técnicas cirúrgicas a laser utilizadas para a correção de erros refrativos de miopia, astigmatismo e hipermetropia. A LASIK é feita com anestesia local (colírio) e acontece da seguinte forma: uma fina camada de córnea é removida, por meio de um instrumento chamado microcerátomo. Em seguida, o Excimer Laser – equipamento que utiliza um “laser frio”, que não causa queimaduras na córnea - atua sobre o tecido corneano, remodelando o seu formato. 

 

Depois de remodelado o tecido, o disco corneano (flap) é, então, colocado na sua posição original, cicatrizando em alguns dias, sem a necessidade de pontos ou internação do paciente. É possível realizar o procedimento de uma só vez, nos dois olhos, no mesmo dia. 

>> Cirurgia personalizada

As distorções visuais básicas ou de baixa ordem - miopia, astigmatismo e hipermetropia - podem ser corrigidas por meio de cirurgias a laser tradicionais. No entanto, algumas pessoas possuem outras imperfeições na córnea, que podem causar efeitos visuais desconfortáveis, como reflexos e sombras, interferindo na visão noturna ou em ambientes com pouca luz. Essas imperfeições ópticas são chamadas de alta ordem e só podem ser corrigidas com a aplicação da cirurgia personalizada.

>> Cirurgia de presbiopia

A presbiopia é conhecida popularmente como "vista cansada" e é decorrente do envelhecimento natural do cristalino (região do olho entre a íris e o vítreo, responsável por aumentar o foco para imagens de perto).
Em decorrência deste envelhecimento, o olho vai perdendo a capacidade de focar objetos de perto, o que gera uma visão borrada e dificuldades de leitura.

>> Anel intraestromal corneano (Anel de Ferrara)

O Anel de Ferrara, que leva esse nome em homenagem a seu criador, o oftalmologista Paulo Ferrara de Almeida Cunha é aplicado para regularizar deformações da córnea, causadas por patologias do tecido e para a correção ou diminuição de erros fracionais associados.
A colocação do anel intraestromal corneano previne, também, a evolução de uma doença hereditária chamada ceratocone, que provoca um afinamento e uma deformação progressiva da córnea, o que pode levar à cegueira.